Publicidade:

Mitos e verdades sobre senhas: descubra se você está protegido.

 

Ao escolher uma senha de acesso para sites e serviços online, os usuários podem ter algumas dúvidas. Principalmente, no que diz respeito à questão de quão confiáveis são esses códigos para manterem em segurança o volume cada vez maior de dados pessoais armazenados na rede. Será que somente a senha é o suficiente? A combinação criada é forte o suficiente para não ser descoberta por criminosos virtuais? Confira abaixo seis mitos e verdades sobre as senhas e descubra qual é a melhor forma de proteger seus cadastros na Internet.

 1 - Só a senha é o suficiente para manter o usuário protegido

Mito. Apesar de senhas fortes serem boas, especialistas recomendam fortemente a autenticação de dois fatores para acessar serviços online. O recurso garante uma camada de segurança extra aos usuários, porque, além da palavra-passe, é necessário inserir ainda um código enviado por e-mail, SMS ou ligação telefônica. Na maioria dos casos, esse PIN é solicitado apenas quando o login é realizado através um dispositivo desconhecido.

O método não é infalível, mas reduz bastante as chances de ter a conta invadida. Apesar de disponível por diversos serviços, como o Gmail, Facebook e Instagram, ainda são poucos os que utilizam a medida de segurança adicional. De acordo com o engenheiro do Google Grzegorz Milka, menos de 10% dos usuários do e-mail da Gigante de Buscas ativaram o recurso.

2 - Se a senha é "forte", não há problemas em repeti-la em diversos sites e serviços

Mito. Uma pesquisa realizada com mil pessoas pela Keeper Security revelou que, em pleno 2017, 87% das pessoas entre 18 e 30 anos repete a mesma senha em diferentes serviços. A verdade é que há o empenho em se criar um código forte, mas, por ser difícil de memorizar vários com o grande nível de complexidade, os internautas acabam por repetir o mesmo no acesso a diferentes serviços


Caso criminosos tenham acesso a uma palavra-passe, buscarão por outras contas do mesmo usuário na Internet. Se o código encontrado não funcionar em outra opção, é bastante provável que eles mudem para uma vítima que facilite o trabalho. Por isso, não importa se a senha é forte ou não, mas repeti-la é um erro que não deve ser cometido.

3 - Quanto maior a senha, mais forte ela é

Parcialmente verdade. De fato, quanto maior o código, melhor, porque demanda mais tempo ou esforço para que seja crackeado. Mas também não é necessário que seja algo gigantesco. Alguns especialistas afirmam que entre oito e 12 caracteres já o suficiente, enquanto outros acreditam que 12 é o número mínimo para que um usuário possa se sentir seguro.

4 - É importante usar os caracteres especiais

Verdade. Utilizar uma senha longa associada a diferentes tipos de caracteres dificulta o trabalho de hackers e crackers. De acordo com o site CSO, uma senha com 10 caracteres, usando letras maiúsculas e minúsculas, números e símbolos, como por exemplo "%ZBGbv]8g?", pode levar 289.217 anos para ser descoberta em um computador e três em um botnet.

Mas vale estar atento para não utilizar expressões simples, como “EuAmoBrigadeiro!”, ou substituições previsíveis, ao mudar as letras i pelo número 1 ou pontos de exclamação ou trocar a vogal O por um zero. Ou seja, evite usar algo como “1L0v3y0u!”. Tente usar a maior variedade possível de tipos de caracteres e procure fugir de padrões óbvios, como acrescentar um número 1 ao final da senha em um site, trocá-lo por 2 no login de um e-mail e alterá-lo por 3 no código de acesso da rede social.

5 - 123456 é a senha mais usada no mundo

Verdade. Por incrível que pareça, de acordo com a empresa de segurança Keeper, em 2016, 17% das pessoas utilizam a senha “123456” para proteger as suas contas. E a criatividade parece não ser o forte dos usuários, afinal, o segundo password mais usado é uma variação do primeiro: “123456789”. O código “qwerty” ficou com a terceira colocação, seguido de “12345678” e do impressionante “111111” para fechar o top 5.

6 - 27 é a média de senhas de pessoas comuns

Verdade. Segundo o diretor de cibersegurança da Intel, Bruce Snell, o usuário médio costuma administrar 27 senhas diferentes. Claro que muitas delas são criadas no passado para acessar algum serviço temporário e acabam não sendo muito utilizadas ou mesmo esquecidas. Além disso, em média, 37% das pessoas esquecem ao menos uma senha por semana.

Uma maneira de administrar tantas palavras-passe é recorrer aos programas e aplicativos gerenciadores de senha, que organizam todas as credenciais de login em um local seguro, de modo que seja necessário lembrar de apenas um código de acesso para usar os demais.

Fonte:Techtudo

 

 

 

 

CONTATO PELO E-MAIL : webmaster@redeaju.com.br